Cartas OH

As cartas OH são baralhos terapêuticos e associativos, constituídos por dois baralhos (imagens + palavras). Você pode adquirir as Cartas OH em nossa loja na Pousada ou pelo telefone 11 98045-1444. Entre em contato conosco, teremos prazer em atendê-lo e tirar todas as suas dúvidas.

recanto-lakshimi-cartas-OH-01-e159352380

Cartas OH

Cartas OH vêm com dois baralhos de 88 cartas cada, um de pinturas e um de palavras.

Combinações que aumentam a intuição, imaginação, percepção e comunicação.

Enquadre uma carta de pintura com uma de palavra e explore o significado do conjunto. 7744 combinações diferentes são possíveis e muito mais interpretações.

Você pode usar sozinho, em casais, famílias ou grupos. São encontradas em residências, escolas, clínicas e centros de treinamento corporativo em 21 idiomas até o momento. Essas belas cartas são projetadas para aumentar a intuição, imaginação, percepção e comunicação. Em todo o mundo, estão sendo usadas para recuperar o senso de si e do seu lugar neste universo.

As OH foram criadas para te colocar em contato consigo mesmo e com os que estão ao seu redor. O artista Ely Raman iniciou com OH o gênero dessas cartas associativas.

Autor: Ely Raman

Autor

Ely Raman viveu com sua companheira Joan Lawrence em Victoria, na costa do Pacífico do Canadá. As cartas OH têm sido uma característica central de suas vidas. Durante os anos em que lecionou arte na Universidade Rutgers, em Nova Jersey, uma das formas preferidas de expressão de Ely
foi o que ele chamou de “estruturas variáveis”.

Em 1975, esse tema em sua arte, juntamente com sua paixão de longa data pelo baralho, lançaram as bases para a OH. Um baralho de figuras do tamanho de cartões que Ely havia pintado tornou-se subitamente potencializado pelo golpe de gênio que o levou a criar cartões de palavras, molduras intercambiáveis ​​que transformaram seu baralho de imagens na verdadeira “estrutura variável” que ele havia concebido, uma forma capaz de constante mudança.

Ely também concebeu e pintou as cartas SAGA, MYTHOS e PERSONA. A pintura dos cartões PERSONITA tornou-se uma co-criação com Marina Lukyanova, que já havia pintado o COPE. Todas essas pinturas de cartões que cabem no bolso, que cabem na mão, ficam disponíveis para combinações infinitas e convidam seus usuários a serem também participantes da arte. O desejo de Ely de minimizar a distância entre arte e observador (que conhecemos tão bem de galerias e museus) foi cumprido na criação desse gênero.

recanto-lakshimi-cartas-OH-08-e159352391

Cartas Resilio

Cartas Resilio vêm com 99 cartas com fotos sobre estresse e 44 cartas com animais que simbolizam qualidades para nos ajudar a fortalecer nossa resiliência.

As 99 cartas de fotos refletem o estresse da vida cotidiana, além de revelar possibilidades de relaxamento. As pressões diárias podem ser um elixir estimulante da vida ou um fardo doloroso, resultando em mau humor, transtornos e até doenças.

Como podemos encontrar nossos próprios recursos para nos libertar? As 44 cartas de animais simbolizam qualidades que podem nos ajudar a descobrir e fortalecer nossa resiliência. Metaforicamente, eles fornecem apoio emocional ou conceitual. Todas as 143 cartas de cores vivas foram pintadas pela versátil artista de aquarela tcheca Emilie Marti.

Como todas as nossas cartas, Cartas Resilio podem ser combinadas com outros decks do gênero OH. Podem ser usadas em particular, por exemplo, para manter um diário de estresse. Em um contexto profissional, as Cartas Resilio podem ser uma ferramenta não sistemática para ajudar, de maneira imparcial e sem valor, a evocar as histórias internas das pessoas.

Autora: Emilie Marti

recanto-lakshimi-cartas-OH-16-e159509243

Cartas Tan Doo

Cartas Tan Doo são 99 cartas de pinturas usadas para trabalhar conflitos e traumas nos relacionamentos. Um roteiro para uma jornada de sofrimento e alegria de um casal.

As 99 imagens pintadas retratam cenas da vida do casal, simbolizando sentimentos, desejos, necessidades, conflitos e padrões de cura que emergem no fluxo contínuo dos relacionamentos do casal.

Em cooperação com Ofra Ayalon, décadas de experiência em aconselhamento e terapia de casal foram adicionadas à mão talentosa da artista Marina Lukyanova ao pintar os tópicos abordados por esta ferramenta substancial. Usando placas, 44 cartas de ação sugerem a idéia de um roteiro para uma jornada de sofrimento e alegria de um casal.

As cartas oferecem novas visões, pensamentos, sentimentos e ações. Fiel ao gênero das cartas OH, as cartas TANDOO podem ser vistas metaforicamente e interpretadas de várias maneiras. Cartas Tan Doo são uma ferramenta para uso privado e profissional. Podem ser combinadas com qualquer outro baralho de gênero OH.

Autora: Ofra Ayalon
Obra: Marina Lukyanova

Autor 

Ofra Ayalon é médica formada em psicologia e diretora da Nord International Trauma Consultancy. Ela também chefia o COPE Center, que treina profissionais em Israel no uso de cartas terapêuticas, é contratada como editora científica da Nord Publications e promove The OH-Cards em Israel.

Durante seus 35 anos de carreira na Universidade de Haifa, Ofra escreveu e publicou muitos artigos, livros e programas de intervenção sobre assuntos de divórcio, violência doméstica, abuso infantil, morte e luto, prevenção de suicídio, guerra e terrorismo. Suas publicações estão disponíveis em vários idiomas, incluindo hebraico, inglês, árabe, tailandês, finlandês, croata e espanhol. Como instrutora e consultora, Ofra trabalhou com profissionais de saúde mental em comunidades traumatizadas em Israel, África do Sul, Angola, ex-Iugoslávia e Irlanda.

Ela também treinou profissionais no Japão, Coréia do Sul, Tailândia, Finlândia, Inglaterra e Portugal. O foco atual de Ofra são os efeitos e a prevenção da violência na mídia, na sociedade, na família e no uso de cartas associativas (os cartões OH e suas ramificações) para promover a comunicação e a criatividade.

Marina Lukyanova nasceu em Leningrado, é arquiteta e professora de matemática. Seu pai, arquiteto e aquarelista hábil, voltava para casa de toda a Rússia com esboços que fazia durante suas frequentes viagens.

Foi ele quem treinou Marina desde a infância para reproduzir no papel a beleza da vida, quando e onde quer que ela a encontrasse. Marina passou todos os verões da infância com os pais no país, andando de bicicleta por lagos e campos, sempre acompanhada de sua caixa de tinta. Por isso, a beleza natural do norte da Rússia se tornou para ela um baú de inspiração artística.

De 1982 a 1987, Marina frequentou uma escola de arte para jovens estudantes. Em 1989, ela começou seus estudos formais na Academia de Belas Artes de São Petersburgo, onde há 250 anos antes dela, os mais famosos artistas e arquitetos russos vinham recebendo seu treinamento. Tradicionalmente, essa universidade valoriza suas faculdades de arquitetura, gráfica e aquarela. Marina se formou nesta Academia em 1996, escolhendo arte como a sua profissão. Desde que saiu da Academia, Marina vive seu sonho de combinar, através de viagens, a descoberta de novos lugares e pessoas com sua busca de inspiração artística. Ela gosta da maneira bonita como eventos imprevisíveis ocorrem e se fundem com seu estilo de vida escolhido.

Nos últimos anos, Marina é fascinada pela Itália e sua cultura. Atualmente, ela passa o verão lá, pintando. A Itália, diz ela, trouxe mais sol e luz para seu trabalho, também para as ilustrações de livros que faz no inverno em casa, em São Petersburgo. Marina inclui como fontes de inspiração os impressionistas franceses, o grupo NABI, Picasso, Turner e a “Era da Prata” russa. Atualmente, ela considera o Renascimento italiano o seu “oceano mais profundo de inspiração”.

recanto-lakshimi-cartas-OH-15-e159509446

Cartas Cope

Cartas Cope, 88 cartas – uma ferramenta para ajudar a expressar e compartilhar nossas histórias, aflições internas e superar experiências traumáticas.

O mundo de hoje precisa de todos os instrumentos para a paz que possamos inventar. As Cartas Cope são o projeto comunitário de um pintor russo, um terapeuta israelense e uma editora alemã.

Suas imagens nos levam a histórias internas de aflição e alegria e nos ajudam a expressá-las e compartilhá-las. As imagens não são tabloides, mas transmitem o conteúdo emocional dos eventos. Como imagens sugestivas, elas já estão provando seu valor em todo o mundo.

O caminho do trauma para a cura é retratado em suas belas e múltiplas variações. Cada deck do COPE é acompanhado por um manual com exemplos de uso e o embasamento teórico da cura de traumas. As Cartas Cope também funcionam bem em combinação com nossos outros títulos desta série.

Autores: Ofra Ayalon, Moritz Egetmeyer
Obra: Marina Lukyanova

Autor

Ofra Ayalon é médica formada em psicologia e diretora da Nord International Trauma Consultancy. Ela também chefia o COPE Center, que treina profissionais em Israel no uso de cartas terapêuticas, é contratada como editora científica da Nord Publications e promove The OH-Cards em Israel.

Durante seus 35 anos de carreira na Universidade de Haifa, Ofra escreveu e publicou muitos artigos, livros e programas de intervenção sobre assuntos de divórcio, violência doméstica, abuso infantil, morte e luto, prevenção de suicídio, guerra e terrorismo. Suas publicações estão disponíveis em vários idiomas, incluindo hebraico, inglês, árabe, tailandês, finlandês, croata e espanhol. Como instrutora e consultora, Ofra trabalhou com profissionais de saúde mental em comunidades traumatizadas em Israel, África do Sul, Angola, ex-Iugoslávia e Irlanda.

Ela também treinou profissionais no Japão, Coréia do Sul, Tailândia, Finlândia, Inglaterra e Portugal. O foco atual de Ofra são os efeitos e a prevenção da violência na mídia, na sociedade, na família e no uso de cartas associativas (os cartões OH e suas ramificações) para promover a comunicação e a criatividade.

Moritz Egetmeyer cresceu na Floresta Negra da Alemanha e mudou-se para Vancouver, Canadá, para estudar psicologia humanística. Foi lá que ele conheceu as cartas OH e, logo depois, Ely Raman pessoalmente. Fascinado com as possibilidades que OH apresenta como uma ferramenta de autodescoberta não dogmática, Moritz tentou colocar as cartas nas mãos de uma editora européia.

Esse desejo se mostrou insatisfatório, o que o levou a estabelecer uma empresa. Sem ter planejado com antecedência, ele trouxe um gênero incomparável de cartas associativas e metafóricas para um público cada vez maior. O feedback de usuários das cartas em todo o mundo confirma o valor de seu trabalho.

Marina Lukyanova nasceu em Leningrado, é arquiteta e professora de matemática. Seu pai, arquiteto e aquarelista hábil, voltava para casa de toda a Rússia com esboços que fazia durante suas frequentes viagens.

Foi ele quem treinou Marina desde a infância para reproduzir no papel a beleza da vida, quando e onde quer que ela a encontrasse. Marina passou todos os verões da infância com os pais no país, andando de bicicleta por lagos e campos, sempre acompanhada de sua caixa de tinta. Por isso, a beleza natural do norte da Rússia se tornou para ela um baú de inspiração artística.

De 1982 a 1987, Marina frequentou uma escola de arte para jovens estudantes. Em 1989, ela começou seus estudos formais na Academia de Belas Artes de São Petersburgo, onde há 250 anos antes dela, os mais famosos artistas e arquitetos russos vinham recebendo seu treinamento. Tradicionalmente, essa universidade valoriza suas faculdades de arquitetura, gráfica e aquarela. Marina se formou nesta Academia em 1996, escolhendo arte como a sua profissão. Desde que saiu da Academia, Marina vive seu sonho de combinar, através de viagens, a descoberta de novos lugares e pessoas com sua busca de inspiração artística. Ela gosta da maneira bonita como eventos imprevisíveis ocorrem e se fundem com seu estilo de vida escolhido.

Nos últimos anos, Marina é fascinada pela Itália e sua cultura. Atualmente, ela passa o verão lá, pintando. A Itália, diz ela, trouxe mais sol e luz para seu trabalho, também para as ilustrações de livros que faz no inverno em casa, em São Petersburgo. Marina inclui como fontes de inspiração os impressionistas franceses, o grupo NABI, Picasso, Turner e a “Era da Prata” russa. Atualmente, ela considera o Renascimento italiano o seu “oceano mais profundo de inspiração”.

recanto-lakshimi-cartas-OH-04-e159352381
Cartas Persona

Cartas Persona, 77 faces de todo o mundo e mais 33 cartas de interação usadas para dramatizações nas quais o jogador interpreta pessoas de todo o mundo.

As cartas de Ely Raman fornecem o material para inúmeras dramatizações nos quais o jogador interpreta pessoas de todo o mundo.

Quem são essas pessoas? O que elas fazem? O que elas querem?

O uso das Cartas Persona oferece uma oportunidade de se encontrar através do jogo e da imaginação com pessoas de várias culturas.

Os pontos nas cartas de interação indicam o número de cartas de retratos a serem reproduzidas. As setas representam suas interações. Os jogadores dão vida aos personagens.

Autor: Ely Raman

Autor

Ely Raman viveu com sua companheira Joan Lawrence em Victoria, na costa do Pacífico do Canadá. As cartas OH têm sido uma característica central de suas vidas. Durante os anos em que lecionou arte na Universidade Rutgers, em Nova Jersey, uma das formas preferidas de expressão de Ely
foi o que ele chamou de “estruturas variáveis”.

Em 1975, esse tema em sua arte, juntamente com sua paixão de longa data pelo baralho, lançaram as bases para a OH. Um baralho de figuras do tamanho de cartões que Ely havia pintado tornou-se subitamente potencializado pelo golpe de gênio que o levou a criar cartões de palavras, molduras intercambiáveis ​​que transformaram seu baralho de imagens na verdadeira “estrutura variável” que ele havia concebido, uma forma capaz de constante mudança.

Ely também concebeu e pintou as cartas SAGA, MYTHOS e PERSONA. A pintura dos cartões PERSONITA tornou-se uma co-criação com Marina Lukyanova, que já havia pintado o COPE. Todas essas pinturas de cartões que cabem no bolso, que cabem na mão, ficam disponíveis para combinações infinitas e convidam seus usuários a serem também participantes da arte. O desejo de Ely de minimizar a distância entre arte e observador (que conhecemos tão bem de galerias e museus) foi cumprido na criação desse gênero.

recanto-lakshimi-cartas-OH-09-e159352390
Cartas Personita

77 retratos de crianças e jovens de todo o mundo e mais 44 cartas de situação sobre seus relacionamentos. Cartas Personita é um convite lúdico para a troca de associações que emergem da memória e da fantasia.

77 retratos pintados pelos artistas Ely Raman e Marina Lukyanova representam crianças e jovens de todos os países e culturas do mundo. As figuras do tipo Giacometti nas 44 cartas de situação nos ajudam a infundir os retratos com movimento, evocando nossas próprias histórias internas.

As cartas PERSONITA são um convite lúdico para a troca de associações que emergem da memória e da fantasia. Impulsionados por essas cartas coloridas, podemos encontrar pontos em comum na imaginação compartilhada enquanto exercitamos a autoexpressão criativa.

Com a PERSONITA, os jovens do mundo se tornam um bairro no qual podemos participar de forma lúdica, comunicar e estabelecer relacionamentos.

Autor: Ely Raman
Obra: Ely Raman, Marina Lukyanova

Autor

Ely Raman viveu com sua companheira Joan Lawrence em Victoria, na costa do Pacífico do Canadá. As cartas OH têm sido uma característica central de suas vidas. Durante os anos em que lecionou arte na Universidade Rutgers, em Nova Jersey, uma das formas preferidas de expressão de Ely
foi o que ele chamou de “estruturas variáveis”.

Em 1975, esse tema em sua arte, juntamente com sua paixão de longa data pelo baralho, lançaram as bases para a OH. Um baralho de figuras do tamanho de cartões que Ely havia pintado tornou-se subitamente potencializado pelo golpe de gênio que o levou a criar cartões de palavras, molduras intercambiáveis ​​que transformaram seu baralho de imagens na verdadeira “estrutura variável” que ele havia concebido, uma forma capaz de constante mudança.

Ely também concebeu e pintou as cartas SAGA, MYTHOS e PERSONA. A pintura dos cartões PERSONITA tornou-se uma co-criação com Marina Lukyanova, que já havia pintado o COPE. Todas essas pinturas de cartões que cabem no bolso, que cabem na mão, ficam disponíveis para combinações infinitas e convidam seus usuários a serem também participantes da arte. O desejo de Ely de minimizar a distância entre arte e observador (que conhecemos tão bem de galerias e museus) foi cumprido na criação desse gênero.

Marina Lukyanova nasceu em Leningrado, é arquiteta e professora de matemática. Seu pai, arquiteto e aquarelista hábil, voltava para casa de toda a Rússia com esboços que fazia durante suas frequentes viagens.

Foi ele quem treinou Marina desde a infância para reproduzir no papel a beleza da vida, quando e onde quer que ela a encontrasse. Marina passou todos os verões da infância com os pais no país, andando de bicicleta por lagos e campos, sempre acompanhada de sua caixa de tinta. Por isso, a beleza natural do norte da Rússia se tornou para ela um baú de inspiração artística.

De 1982 a 1987, Marina frequentou uma escola de arte para jovens estudantes. Em 1989, ela começou seus estudos formais na Academia de Belas Artes de São Petersburgo, onde há 250 anos antes dela, os mais famosos artistas e arquitetos russos vinham recebendo seu treinamento. Tradicionalmente, essa universidade valoriza suas faculdades de arquitetura, gráfica e aquarela. Marina se formou nesta Academia em 1996, escolhendo arte como a sua profissão. Desde que saiu da Academia, Marina vive seu sonho de combinar, através de viagens, a descoberta de novos lugares e pessoas com sua busca de inspiração artística. Ela gosta da maneira bonita como eventos imprevisíveis ocorrem e se fundem com seu estilo de vida escolhido.

Nos últimos anos, Marina é fascinada pela Itália e sua cultura. Atualmente, ela passa o verão lá, pintando. A Itália, diz ela, trouxe mais sol e luz para seu trabalho, também para as ilustrações de livros que faz no inverno em casa, em São Petersburgo. Marina inclui como fontes de inspiração os impressionistas franceses, o grupo NABI, Picasso, Turner e a “Era da Prata” russa. Atualmente, ela considera o Renascimento italiano o seu “oceano mais profundo de inspiração”.

recanto-lakshimi-cartas-OH-02-e159352392
Cartas Saga

Cartas Saga vêm com 55 cartas de contar histórias.

Um trampolim para um mito, um conto de fadas familiar ou uma história que nunca foi contada antes.

Essas 55 cartas pintadas por Ely Raman retratam personagens, cenas e objetos de uma terra que nunca foi e sempre é.

As Cartas Saga reacendem o prazer da espontaneidade e surpresa e as memórias dos sonhos da infância.

As imagens convidam você a viajar, com ou sem criança, para um mundo de história, fantasia, sonhos e magia.

Autor: Ely Raman

Autor

Ely Raman viveu com sua companheira Joan Lawrence em Victoria, na costa do Pacífico do Canadá. As cartas OH têm sido uma característica central de suas vidas. Durante os anos em que lecionou arte na Universidade Rutgers, em Nova Jersey, uma das formas preferidas de expressão de Ely
foi o que ele chamou de “estruturas variáveis”.

Em 1975, esse tema em sua arte, juntamente com sua paixão de longa data pelo baralho, lançaram as bases para a OH. Um baralho de figuras do tamanho de cartões que Ely havia pintado tornou-se subitamente potencializado pelo golpe de gênio que o levou a criar cartões de palavras, molduras intercambiáveis ​​que transformaram seu baralho de imagens na verdadeira “estrutura variável” que ele havia concebido, uma forma capaz de constante mudança.

Ely também concebeu e pintou as cartas SAGA, MYTHOS e PERSONA. A pintura dos cartões PERSONITA tornou-se uma co-criação com Marina Lukyanova, que já havia pintado o COPE. Todas essas pinturas de cartões que cabem no bolso, que cabem na mão, ficam disponíveis para combinações infinitas e convidam seus usuários a serem também participantes da arte. O desejo de Ely de minimizar a distância entre arte e observador (que conhecemos tão bem de galerias e museus) foi cumprido na criação desse gênero.

Cartas Morená

Cartas Morená, vêm com 88 cartas de figuras e 22 cartas de faixas sobre a vida tribal na floresta brasileira. Uma viagem pela selva e a vida de um povo feliz.

O pintor Walde Mar de Andrade e Silva viveu com os nativos da floresta tropical e desde então pintou seu mundo.

88 cartas com fotos e 22 cartas com pegadas nos levam a uma viagem pela selva e a vida de um povo feliz. As cores quentes e as cenas de amor nos tocam e guiam nossa peça. Este pacífico baralho de cartas funciona bem com crianças.

Cartas Morená significa “local de origem” no idioma local do Xingu. Não faz muito tempo, a maioria da humanidade vivia em tribos e clãs. Essas cartas nos ajudam a reexperimentar esse passado.

Autor: Walde Mar de Andrade e Silva

Autor

Walde Mar de Andrade e Silva pintou durante muitos anos cenas da vida dos índios no Xingú, uma tribo com quem ele se relacionou e cuja vida ele compartilhou intensamente.

Nunca e em nenhum outro lugar, diz Walde Mar, ele experimentou pessoas mais felizes e pacíficas. Suas impressionantes pinturas o tornaram conhecido além das fronteiras de seu país natal. Walde Mar tornou sua missão não apenas apresentar a nós, que conhecemos tão pouco dessa paz original e alegria comum, tais imagens, mas também nos levar até lá através das cartas MORENA (o nome Xingú do lugar de origem humana).

A casa de Walde Mar em São Paulo tornou-se um centro cultural para temas nativos, uma encruzilhada entre civilização e natureza. A MORENA tem sido muito elogiada na imprensa européia pelo acesso lúdico que oferece a uma experiência étnica diferente.

recanto-lakshimi-cartas-OH-07-e159352398
Cartas Shen Hua

Cartas Shen Hua, com 55 cartas de figuras para contar histórias da China antiga. Uma coleção de objetos, cenas e personalidades para nos inspirar a criar histórias no estilo chinês.

O “Reino Central”, essas 55 cartas foram pintadas pela artista de Pequim, Han Wei. Usando um estilo tradicional de aquarela chinesa, ela reuniu uma coleção de objetos, cenas e personalidades das quais podemos obter inspiração para contar histórias, no estilo chinês.

As imagens atraentes das Cartas Shen Hua se originam das lendas e mitos da China antiga: com ou sem o conhecimento dos contos reais, podemos responder às imagens com nossas próprias associações e criar novas histórias.

Puxadas às cegas do baralho, cada carta é uma surpresa, abrindo sua própria janela para o reino da imaginação. À medida que estabelecemos as cartas selecionadas em progressão, uma história se desenvolve, cada história é única, um evento único! As imagens SHEN HUA da China distante podem nos levar a novas incursões na criatividade.

Autor: Han Wei

Autor

Han Wei vive na China como uma artista freelancer. Nascida e educada lá, estudou
pintura tradicional.

Outros interesses artísticos incluem o expressionismo e seu lar filosófico que ela encontra no liberalismo.

O estilo de Han Wei é irrestrito e cheio de entusiasmo. Desde que se formou na universidade, ela ensinou arte, administrou uma empresa de design visual e atualmente trabalha como designer urbana em Pequim.

recanto-lakshimi-cartas-OH-10-e159352377
Cartas Mythos

Cartas Mythos, com 55 cartas de contar histórias com detalhes e cenas do Reino do Mito que simplesmente inspiram a imaginação.

Cartas Mythos é o nome do mais recente baralho de contar histórias de Ely Raman. As 55 pinturas da mão capaz de Ely retratam detalhes e cenas do reino do mito. Essas imagens também refletem o interesse de longa data de Ely na representação pictórica de arquétipos.

Como Saga, as Cartas Mythos servem para tecer histórias estranhas, novas e maravilhosas. Simplesmente, elas inspiram a imaginação! MYTHOS é um complemento maravilhoso para os outros decks de contar histórias.

É fácil de jogar e cheio de surpresas. Toda história é uma história nova, moldada pela fantasia de todas as suas cartas. SAGA e MYTHOS, aliás, podem ser usadas ​​em combinação!

Autor: Ely Raman

Autor

Ely Raman viveu com sua companheira Joan Lawrence em Victoria, na costa do Pacífico do Canadá. As cartas OH têm sido uma característica central de suas vidas. Durante os anos em que lecionou arte na Universidade Rutgers, em Nova Jersey, uma das formas preferidas de expressão de Ely
foi o que ele chamou de “estruturas variáveis”.

Em 1975, esse tema em sua arte, juntamente com sua paixão de longa data pelo baralho, lançaram as bases para a OH. Um baralho de figuras do tamanho de cartões que Ely havia pintado tornou-se subitamente potencializado pelo golpe de gênio que o levou a criar cartões de palavras, molduras intercambiáveis ​​que transformaram seu baralho de imagens na verdadeira “estrutura variável” que ele havia concebido, uma forma capaz de constante mudança.

Ely também concebeu e pintou as cartas SAGA, MYTHOS e PERSONA. A pintura dos cartões PERSONITA tornou-se uma co-criação com Marina Lukyanova, que já havia pintado o COPE. Todas essas pinturas de cartões que cabem no bolso, que cabem na mão, ficam disponíveis para combinações infinitas e convidam seus usuários a serem também participantes da arte. O desejo de Ely de minimizar a distância entre arte e observador (que conhecemos tão bem de galerias e museus) foi cumprido na criação desse gênero.

recanto-lakshimi-cartas-OH-13-e159509477
Cartas Habitat

Cartas Habitat, com 88 cartas sobre natureza e seres humanos nos convidam a encontrar conexões e redes em nosso entorno.

88 cartas pintadas pelo naturalista Christian Gronau retratam uma ampla extensão dos ambientes naturais da Terra. Alguns parecem documentários, outros quase míticos, outros sérios, outros engraçados.

As Cartas Habitat (em latim significa “ele, ela reside”) nos convidam a encontrar divertidamente conexões e redes em nosso entorno. As cartas não dão respostas, elas estimulam perguntas sobre a interconectividade de todas as coisas.

Autor: Christian Gronau

Autor

Christian Gronau gosta de “todos os animais e certas pessoas”. Ele pintou os cartões HABITAT na paz e tranquilidade da casa de madeira artesanal, onde ele mora no interior do Canadá.

Depois de estudar geologia, Christian deixou a Alemanha para partes menos viajadas do mundo. Ele e Aileen Douglas, que deixou a Escócia, sua terra natal, por razões semelhantes, encontraram uma casa a meio caminho entre as marés de água salgada e um lago de castores em uma pequena ilha na costa da Colúmbia Britânica.

Vinte anos vivendo na corrente principal da natureza intensificaram sua sensibilidade para a miríade de formas de vida que não são humanas, uma sensibilidade pouco conhecida pela maioria dos habitantes humanos do mundo industrializado e mecanizado de hoje.

As cartas HABITAT são uma expressão natural de suas preocupações com a responsabilidade humana.

recanto-lakshimi-cartas-OH-17-e159509535
Cartas 1001

55 cartas de fotos para descobrir mil e uma histórias e reascender em nós a arte de contá-las.

O artista canadense Andrée Pouliot criou nosso mais recente baralho: 55 pinturas requintadas em formato de cartas retratam o mundo maravilhoso e mítico do Oriente. 1001 reascende a antiga arte de contar histórias em nós.

Toda carta é uma porta de filigrana que se abre para uma sala cheia de associações. Toda imagem é um tapete mágico que nos leva mais uma vez à câmara iluminada pela lua, onde o coração medroso de um rei foi suavemente dominado por uma mulher tão corajosa e sábia quanto bonita. Com o giro de 1001 contos fabulosos para preencher tantas noites sem dormir, Scheherazade preservou sua vida por mais um dia e a noite cheia de histórias que se seguiu.

Com as Cartas 1001, nós também podemos ser inventores de histórias em que tudo é possível e nenhuma história é contada duas vezes. A cada baralhamento das cartas, as possibilidades se renovam: a imaginação cria asas!

Cartas 1001 é um deck complementar para SAGA e MYTHOS e também pode ser usado em combinação com eles.

Autor: Andrée Pouliot

Autor

A artista canadense Andrée Pouliot se autodenomina “uma narradora visual”. Com 1001, um baralho de 55 miniaturas de guache e pastel pintadas especialmente para esse gênero de cartas associativas, ela demonstra sua capacidade refinada de atender a essa descrição.

Originalmente de Ottawa, Andrée concluiu um programa de honra em artes gráficas antes de se mudar para a Índia. Lá, ela morou por dezessete anos na antiga cidade de Jaipur, aplicando o treinamento clássico que recebeu em técnicas tão diversas quanto a fotografia e a pintura com pincel japonesa principalmente para seu trabalho em design têxtil.

Durante seus anos no Oriente, Andrée também expandiu seus estudos para incluir a pintura em miniatura indiana, o hinduísmo e as mitologias da Índia e da Pérsia. Seus interesses também não pararam por aí. Sua pesquisa sobre dança clássica indiana e literatura erótica, poesia de amor em sânscrito e a ampla variedade de artesanato indígena de Rajastan influenciaram o caráter e a qualidade de sua própria arte.

De volta ao Canadá, em 2000, Andrée aplicou seus diversos talentos, auxiliando em pesquisa, documentação e aquisições para uma exposição no Museu Canadense da Civilização, intitulada “India- The Living Arts”. Projetos recentes incluem animações digitais e peças sonoras para a web com base em suas próprias histórias e pinturas. “Minha vida na Índia por mais de três séculos”, uma dessas peças, foi financiada por uma doação do Programa de Financiamento de Artes da Cidade de Ottawa.

Através de seus estudos e experiências multifacetadas, Andrée se tornou um elo entre Oriente e Ocidente. As cartas 1001 são um meio perfeito para a intrincada síntese de seu estilo artístico, habilidades e interesses. O trabalho de Andrée foi exibido extensivamente no Canadá, EUA e Inglaterra.

www.andreepouliot.com

recanto-lakshimi-cartas-OH-11-e159509594
Cartas Ecco

Cartas Ecco, com 99 pinturas abstratas para imaginação sem limites e criação das suas próprias exposições.

Em italiano, “Ecco” significa “Olha!”, “Eis que:” Este baralho de 99 cartas abstratas foi pintado por John David Ellis para nos convidar a examinar cuidadosamente cores, formas e padrões. Não há títulos nem significados corretos. Cada um de nós vê algo diferente.

As Cartas Ecco são um desafio para a imaginação, um trampolim para a arte, um tapete mágico para o mundo da fantasia. Crie suas próprias exposições, descreva as imagens como paisagens ou um sonho. Como todos os decks de figuras, as Cartas Ecco combinam bem com as cartas de palavras OH ou com pinturas de outros decks do gênero.

Autor: John David Ellis

Autor

Cartas Ecco, com 99 pinturas abstratas para imaginação sem limites e criação das suas próprias exposições.

Em italiano, “Ecco” significa “Olha!” “Eis que:” Este baralho de 99 cartas abstratas foi pintado por John David Ellis para nos convidar a examinar cuidadosamente cores, formas e padrões. Não há títulos nem significados corretos. Cada um de nós vê algo diferente.

As Cartas Ecco são um desafio para a imaginação, um trampolim para a arte, um tapete mágico para o mundo da fantasia. Crie suas próprias exposições, descreva as imagens como paisagens ou um sonho. Como todos os decks de figuras, as Cartas Ecco combinam bem com as cartas de palavras OH ou com pinturas de outros decks do gênero.

Autor: John David Ellis

recanto-lakshimi-cartas-OH-03-e159352366
Cartas de Bosch

“O Jardim das Delícias” das Cartas de Bosch, em 65 cartas coloridas nos levam a um passeio por uma das pinturas mais famosas a arte ocidental.

(edição limitada, caixa preta, carimbo de ouro)

Com sua pintura “O Jardim das Delícias” Hieronymus Bosch (1450-1516) criou um monumento a partir dos medos, esperanças e fantasias da Europa na Idade Média. Um mestre contador de histórias na linguagem das imagens, Bosch povoou sua criação com bestas fabulosas e criaturas de fantasia, bem como as pessoas de seu tempo e cultura cujas imaginações elas habitavam.

As 65 das Cartas de Bosch reproduzem “O Jardim das Delícias” em sua totalidade. Considerada individualmente, cada carta revela uma obra-prima em miniatura de detalhes complexos. Dispostas em peças de carta a carta em um quebra-cabeça (tamanho 91 × 52 cm), as imagens individuais crescem novamente em uma composição unificada. Por mais de cinco séculos, o trabalho de Bosch inspirou e fascinou artistas e amantes da arte. As Cartas de Bosch podem abrir uma nova porta ao seu mundo e nos levar a passear por uma das pinturas mais famosas da história da arte ocidental.

Autor: Hieronymus Bosch

Autor

Cartas Ecco, com 99 pinturas abstratas para imaginação sem limites e criação das suas próprias exposições.

Em italiano, “Ecco” significa “Olha!” “Eis que:” Este baralho de 99 cartas abstratas foi pintado por John David Ellis para nos convidar a examinar cuidadosamente cores, formas e padrões. Não há títulos nem significados corretos. Cada um de nós vê algo diferente.

As Cartas Ecco são um desafio para a imaginação, um trampolim para a arte, um tapete mágico para o mundo da fantasia. Crie suas próprias exposições, descreva as imagens como paisagens ou um sonho. Como todos os decks de figuras, as Cartas Ecco combinam bem com as cartas de palavras OH ou com pinturas de outros decks do gênero.

Autor: John David Ellis

recanto-lakshimi-cartas-OH-06-e159352390
Cartas Quisine

Cartas Quisine, com 55 cartas com 110 alimentos para criar refeições. Os jogadores podem jogar juntos ou contar sobre seus processos e resultados de preparação.

Onde quer que as pessoas vivam, a comida é preparada e apreciada. Existe alguém que não aprecia uma boa refeição?

Com as Cartas Quisine, os jogadores se tornam os cozinheiros. O artista gráfico Anke Siebert retratou em cada cartão dois itens alimentares diferentes. A partir deles, os jogadores escolhem seus ingredientes para pratos e refeições.

Quem tem 3 cartas na mão já tem 8 possibilidades de combinação. Quer sejam refeições de 3 pratos ou piqueniques, num ambiente de 5 estrelas ou sob céu aberto: vale tudo. Os jogadores podem cozinhar juntos ou contar, por sua vez, sobre seus processos e resultados de preparação.

Cuidado: Cartas Quisine é um jogo apetitoso, os melhores petiscos desde que as cartas foram inventadas.

Autor

Cartas Quisine, com 55 cartas com 110 alimentos para criar refeições. Os jogadores podem jogar juntos ou contar sobre seus processos e resultados de preparação.

Onde quer que as pessoas vivam, a comida é preparada e apreciada. Existe alguém que não aprecia uma boa refeição?

Com as Cartas Quisine, os jogadores se tornam os cozinheiros. O artista gráfico Anke Siebert retratou em cada cartão dois itens alimentares diferentes – a partir deles, os jogadores escolhem seus ingredientes para pratos e refeições.

Quem tem 3 cartas na mão já tem 8 possibilidades de combinação. Quer sejam refeições de 3 pratos ou piqueniques, num ambiente de 5 estrelas ou sob céu aberto: vale tudo. Os jogadores podem cozinhar juntos ou contar, por sua vez, sobre seus processos e resultados de preparação.

Cuidado: Cartas Quisine é um jogo apetitoso, os melhores petiscos desde que as cartas foram inventadas.

Autor: Anke Siebert

recanto-lakshimi-cartas-OH-14-e159509655
Cartas Beauregard

Cartas Beauregard – 55 colagens impressas da artista Joan Beauregard para expressão criativa pessoal. (edição limitada, caixa preta, carimbo de prata)

Colagens são figuras que incluem outros materiais além da tinta, “pois não é o material que é essencial. A única função da colagem é a própria composição”(K.Schwitters). As Cartas Beauregard são arranjos de forma e cor de espírito livre que podem afetar profundamente seus espectadores.

Também podemos ir além da visualização e usar essas colagens como ponto de partida para a expressão criativa pessoal. A associação espontânea pode inspirar a invenção de histórias, anedotas ou diários de viagem imaginários. Outras respostas a essas cartas vívidas podem encontrar expressão na pintura ou na dança, na música, no teatro ou na pantomima.

Como a ECCO, as Cartas Beauregard abrem uma porta para o mundo da arte do abstrato. Em uma música sem palavras, a música sozinha expressa o significado. Da mesma forma, a arte abstrata em abster-se da representação de objeto, figura, cenário ou paisagem, apela diretamente através da cor e da forma à resposta do espectador.

Autora: Joan Beauregard

Autor

Joan Beauregard nasceu em De Pere, Wisconsin, EUA, em 1920. Seu primeiro interesse pelas artes foi no teatro. No entanto, após seu primeiro casamento e o nascimento de dois filhos, seu interesse mudou e ela estudou pintura e desenho.

Morava na área de Nova York e teve a sorte de ter um estúdio perto do Museu de Arte Moderna. Ser capaz de ir para lá freqüentemente contribuiu muito para sua educação artística. Ela também estudou no Art Students Leaque em Nova York.
Mais tarde, e após um segundo casamento, ela começou a morar parte do tempo no Maine.

Seu trabalho reflete a energia da cidade e a paz consciente das áreas costeiras do Maine. Mais tarde, ela viveu no Maine durante as estações de verão e inverno e na Alemanha na primavera e no outono.
Ela viajou pela Itália e sua pintura a óleo reflete a influência dos primeiros pintores italianos. Enquanto na Alemanha, ela começou a trabalhar em acrílico, mas todo o seu grande trabalho é em óleo.

BEAUREGARD era o nome de sua família que ela sempre manteve porque era uma boa designação para seu trabalho.

recanto-lakshimi-cartas-OH-12-e159509702
Cartas Lydia Jacob Story

Cartas Lydia Jacob Story – 55 colagens de mídia mista de Raymond E. Waydelich nos convidam a associar e inventar junto com seu criador. (edição limitada, caixa preta, carimbo de ouro)

O artista alsaciano Raymond E. Waydelich tem uma paixão por combinar objetos encontrados com pintura para compor suas obras de arte.
Ele criou 55 obras de arte do tamanho de uma carta, temperadas com seu próprio humor, especialmente para esse gênero de ferramentas divertidas.

Além de ser uma obra de arte por si só, cada uma das Cartas Lydia Jacob Story é um ponto de partida para um mundo surreal, um lugar novo e ainda desconhecido, ocupado por uma coleção memorável de humanos, animais, plantas e (possivelmente ) objetos inanimados.

Reunidos em um cenário de paisagens vívidas, textos misteriosos e mapas surpreendentes, os habitantes do mundo de LYDIA JACOB nos convidam a associar e inventar junto com seu criador. Nossa fantasia pode assumir o lugar de onde o artista parou.

As Cartas Lydia Jacob Story podem nos inspirar tanto ao prazer contemplativo de obras de arte deliciosas quanto à criatividade ativa, como contar histórias, teatro, música e dança.

Autor: Raymond E. Waydelich

Autor

Raymond E. Waydelich

Nascido em Estrasburgo em 1938, o artista Raymond E. Waydelich ainda vive perto do coração daquela metrópole da Alsácia.

Antes mesmo de ele e seus trabalhos começarem a viajar para lugares distantes do mundo, Raymond era bem conhecido em seu país de origem. Seja como pianista, cantor ou criador de Happenings dos anos 70, ou como o renomado artista dos tempos atuais, Raymond sempre foi encontrado no pulso da cultura alsaciana contemporânea.

Suas criações fabulosas, pintadas e esculpidas, encontraram-se em casas por toda a região. Você pode até descobrir sua presença artística em um bom restaurante alsaciano nas bestas fantasiosas de sua criação que decoram o cardápio ou seguram as velas.

Depois de estudar em Estrasburgo e Paris, o jovem Waydelich percorreu o norte da África como fotógrafo viajante. Lá, ele descobriu seu fascínio pela arqueologia, que apareceu e reapareceu em seu trabalho como “a arqueologia do futuro”.

Um colecionador insaciável de todos os tipos de objetos, Raymond desmonta e remonta, pinta, preserva e documenta. Seus trabalhos podem ser bidimensionais ou esculturais. Neles, encontramos o mundo e seu conteúdo reunidos como cartas em um baralho, depois embaralhados e transformados em novas justaposições fascinantes.

Até as obras mais sérias de Raymond testemunham sua brincadeira, inteligência e poesia. No decurso da coleta, um retrato fotográfico de Lydia Jacob, uma costureira que viveu em Strassburg durante a última parte do século XIX, chegou a seu poder. Seu nome e os remanescentes de sua história tornaram-se o impulso originário de um ciclo contínuo de obras, a “Lydia Jacob Story”, na qual Raymond trabalha desde 1973. Pode-se dizer que ela se tornou sua anima? O artista diz: “Lydia Jacob? C’est moi “.

Em 1978, o trabalho de Raymond foi exibido na Bienal de Veneza. Seguiram-se exposições em Paris, Nova York e Tóquio. Suas pinturas, colagens, objetos e instalações premiados continuam a ser vistos na Europa e além.

Os cartões LYDIA JACOB STORY colocam nas mãos do espectador uma exposição privada para desfrutar em casa. Raymond E. Waydelich convida seus fãs, novos e antigos, a pegar um cartão e entrar no universo dele – e de Lydia Jacob.

WhatsApp-Image-2020-07-20-at-12.12.59-e1
Cartas Tahiti

Cartas Tahiti – 55 Cartas de figuras, segmentos das pinturas do mar sul de Paul Gauguin nos convidam a uma viagem com nossa própria fantasia criativa. (edição limitada, caixa preta, carimbo de ouro)

Paul Gauguin (1848 – 1903) criou as obras vívidas de sua vida nas remotas ilhas do Tahiti. Ele expressou seu fascínio pela cultura em pinturas que buscavam satisfazer seus anseios profundos por beleza e inocência original.

Ele pintou cenas da vida cotidiana, do campo e das pessoas, principalmente mulheres. Imagens ricas em poesia e uma aparente harmonia que parecia indígena ao paraíso, permeiam as obras. Essas 55 cartas, imagens selecionadas de suas pinturas mais bonitas, são um convite para viajar em fantasia aos Mares do Sul.

Podemos criar nossas próprias histórias com base nos motivos de Gauguin. As Cartas Tahiti, como peças tentadoras de um mosaico maior, cativam os olhos do espectador por detalhes e nos convidam a estendê-los com nossa própria fantasia criativa.

Autor: Paul Gauguin

Autor

O artista francês Paul Gauguin nasceu em Paris em 1848. O impressionismo – capturando imagens da vida cotidiana ao ar livre sob luz natural, em vez de trabalhos de estúdio sobre os temas históricos da religião e da mitologia – influenciou fortemente seu início de carreira.

Gauguin foi mais longe, no entanto, para desenvolver o sintetismo, um estilo de pintura que combinava tematicamente impressões da natureza e as percepções internas do artista. Como havia sido feito com relação à música, ele tentou, em sua arte, esclarecer as leis naturais, suas relativas à coloração. Ele incorporou em suas técnicas de pintura de Pisarro e Cézanne.

Trabalhando com valores intrínsecos e simbólicos de superfície, linha e cor, Gauguin foi um dos artistas de vanguarda que abriu caminho para o expressionismo e a pintura abstrata. O início da vida adulta de Gauguin era tipicamente doméstico, mas ele deixou sua família para se dedicar totalmente à pintura. Ele se retirou para a Bretanha, onde pintou suas obras conhecidas que retratavam o ambiente camponês.

Uma tentativa de colaboração com Van Gogh falhou devido a perspectivas irreconciliáveis. Com o passar do tempo, Gauguin dependia cada vez menos da forma de expressar seus conceitos e cada vez mais da cor. Ele alcançou o auge de sua intensidade de cores durante o período tardio no Taiti. Ele passou os anos 1891 e 1892 lá e retornou mais tarde aos Mares do Sul para mais seis anos de trabalho, cumprindo seu sonho de um estúdio tropical cercado pela exuberância de uma vegetação e cultura exóticas.

Os dois últimos anos de Gauguin, caracterizados por doença, pobreza e desespero, foram gastos nas Marquesas, um grupo vizinho de ilhas do Taiti, onde ele morreu em 1903. As pinturas ricas e intensamente coloridas que ele deixou ao mundo não representam nada pessoal, vida que continha tanto sofrimento, mas antes a declaração de beleza e harmonia alegre do artista.